Segurança Eletrônica: 15 atitudes para diminuir disparos indevidos


por Emir Pinho em Principal / 17 de novembro de 2014

Disparos indevidos: a avassaladora “doença” em empresas de segurança eletrônica
*
Emir Pinho

Tenho andado por todo nosso vasto país, desenvolvendo e aplicando palestras, treinamentos, cursos e consultorias focadas na qualificação do segmento da Segurança Eletrônica e Vigilância Privada, e em todos os lugares tenho me deparado com diversos tipos de empresas que vão desde “empresas simuladas” até verdadeiras EMPRESAS de segurança.

Em alguns casos encontro estruturas amadoras e nada profissionais. Mas em outras situações tenho conseguido reconhecer algumas estruturas bastante interessantes. Apesar das inúmeras diferenças entre empresas do setor, uma situação tem se tornado repetitiva e cruel com todos os tipos de empresas de segurança eletrônica: o estrondoso aumento dos disparos indevidos, popularmente conhecidos como “disparos falsos”.

Para começar a abordar esse assunto, ressalto que NÃO EXISTEMdisparos falsos”! Sou categórico em defender esse conceito!!
O que existe de fato são disparos indevidos gerados por uma série de situações adversas aos sinistros, que vão desde o erro em projetos comerciais, recomendações erradas, não cumprimento das recomendações, instalações inadequadas, abuso de RTA’s (Recursos Técnicos Alternativos = GAMBIARRAS), ausência de controle e gestão, falhas da equipe de monitoramento, falta de manutenção e total ausência de auditorias técnicas.

Isso quer dizer que o monitoramento de alarmes, por mais importante que o seja, ainda é tratado de forma errada pela maioria das empresas.

Os disparos indevidos são legítimos roedores de lucros, ceifadores das rentabilidades e dizimadores da almejada produtividade operacional das empresas que executam serviços de monitoramento eletrônico em qualquer escala.

Hoje a maioria das empresas prejuízos com essas perdas e às vezes nem conseguem mensurar o montante, uma vez que não implantam e muito menos praticam processos de gestão do monitoramento. Isso se acentua muito se o caso for de MultiMonitoramento (monitoramento integrado de sistemas eletrônicos distintos e inteligentes).

Toda vez que converso com proprietários e diretores de empresas, pergunto QUANTO suas empresas tem perdido com os disparos indevidos e sempre, mas sempre mesmo, obtenho as mesmas respostas:sofrem

    – Nem imagino! Ninguém na minha empresa jamais me disse que perdemos!

Gestão é essencial!

 

Ora, ora… se um Diretor de empresa não possui informações suficientes para administrar as perdas e tampouco corrigir a baixa produtividade dos serviços de sua empresa, é porque sua equipe de gerentes, gestores, supervisores, líderes e funcionários não está conseguindo acompanhar de fato a operação ou não está conseguindo enxergar as perdas que corroem seus resultados e os impede de alcançar números muito mais satisfatórios que os atuais.

É necessário que se entenda que sempre que ocorre um disparo indevido, imediatamente dois serviços percebem seus efeitos: o Centro de Gerenciamento ou Central de Monitoramento e a equipe de Atendentes de Alarme que imediatamente deve se deslocar até o local “hipoteticamente” protegido.

Hoje os Centros de Gerenciamento ocupam mais de 60% de seu tempo, tratando e gerenciando disparos indevidos, causando um gigantesco desperdício de energia técnica e aumentando o nível de estresse e nervosismo profissional, além de “banalizar” os fatos. Eis aí um dos fatores que faz com que algumas equipes “chupem bala” no momento do sinistro de fato!

Por sua vez, a equipe operacional de atendimento despende grandes recursos financeiros, técnicos e presenciais com deslocamentos desnecessários. Para se imaginar o tamanho do rombo, calcule-se quanto custa (gasto desnecessário é CUSTO) cada deslocamento. Qual o custo hora/homem/viatura? Podemos arrolar nessa conta os custos diretos:

-Salário do Agente com todos os impostos e benefícios, uniformes, treinamento, viatura, gasolina, telefone, custo com férias – sim, os Atendentes de Alarmes também gozam férias – reciclagens (para o caso de vigilantes), tempo de deslocamento e retorno ao local monitorado, seguro da viatura, IPVA, equipamentos do agente, etc. E além disso devemos torcer que nada dê errado neste deslocamento. Quanto será que fechou essa conta? Vamos imaginar uns R$70,00/R$ 80,00 por hora? Voilá !

Qual o preço médio que as empresas praticam para monitorar e atender um local em sua região? R$ 100,00 a R$ 150,00? Isso quer dizer que se ocorrer 2 míseros disparos indevidos no mesmo local, a empresa estará, no mínimo, TROCANDO 6 por MEIA-DÚZIA. Já para o caso de ocorrer 3 disparos indevidos no mesmo cliente, a empresa estará PAGANDO para trabalhar. E pagando caro!

Observem que neste exemplo estou citando apenas o serviço externo de pronta-resposta. Nem pensamos ainda nos custos pelo trabalho do Centro de Gerenciamento, suas equipes, do composto das áreas administrativas, financeiras, base, telefone, impostos, equipe comercial…enfim, a lista é longa!

Definitivamente eis um dos grandes motivos pelos quais as contas das empresas não conseguem fechar em sua plenitude. Podem até alcançar números positivos, mas bastante aquém dos números que poderiam alcançar.

Imaginem vocês, que certo dia desses, numa empresa que por questões profissionais não revelarei, encontrei uma situação desesperadora, onde o Centro de Gerenciamento recebia mensalmente mais de 20 mil disparos indevidos por mês. Isso mesmo!! Mais de 20.000 disparos indevidos por mês. Fazendo um cálculo rápido podemos dizer que essa empresa recebia mais de 27 disparos indevidos por hora!! E é claro que essa empresa não conseguia atender essa essa demanda de disparos e tampouco deslocava os agentes para atender e verificar os motivos que forçavam o alarme a disparar.

Posso afirmar que os disparos indevidos representam uma perda entre 15% e 30% do poder de faturamento das empresas. E essa perda acaba não sendo computada e nem tampouco percebida, pois não alimenta relatórios específicos. Alguns gerentes de monitoramento inclusive tratam o assunto como normal. Mas de “normal” os disparos indevidos não têm nada!!

Para que a empresa de segurança se torne realmente eficiente, ela deve dar atenção redobrada para eliminar todas as possibilidades que possam gerar os disparos indevidos, pois aí, com toda a certeza suas equipes estarão focadas em atender as demandas e os eventos que realmente atentem contra a segurança e a proteção dos locais monitorados, tratando de situações verdadeiras e de riscos.

Eis 15 atitudes que podem diminuir significativamente os disparos indevidos:

  • Capacite sua equipe comercial e de consultores: A maior incidência de problemas encontrados, surgem na recomendação errada, no erro de projeto e na aplicação de tecnologias não condizentes com as necessidades. Tratar cada local a ser protegido de forma correta é o início de tudo;
  • Preço baixo não é sinônimo de segurança: Muitas empresas de segurança promovem “pregão” para determinar a compra de produtos e equipamentos de segurança que serão instalados nos locais a serem protegidos. Se baseiam exclusivamente pelo preço. Se a situação exige um determinado equipamento, não deixe que seu departamento de compras destrua o projeto do cliente apenas pelo custo do produto;
  • Qualifique sua equipe técnica: A guerra contra o disparo indevido deve ser tratada com seriedade por todos! A equipe técnica de instalação e de manutenção tem um papel fundamental para virar o jogo do prejuízo;
  • Institua uma equipe de Fiscais de Qualidade Técnica: Monte um time com conhecimento, capacidade e autoridade para determinar as correções e adequações técnicas e operacionais que devem ser feitas;
  • Abandone os métodos mais fáceis: Normalmente o método mais fácil não é o mais correto. Qualidade para fazer vai representar aumento da produtividade. Proíba os RTA’s (gambiarras);
  • Capacite a equipe de Atendimento de Alarmes: Promova a qualificação técnica para que os agentes possam agir de forma proativa e preventiva ao invés de apenas reagir aos disparos indevidos;
  • Crie um programa permanente de gestão: Com a Gestão 720 Graus sobre o Centro de Gerenciamento, todas as etapas dos serviços serão executadas, mensuradas, avaliadas e corrigidas. É o PDCA sendo colocado em prática;
  • Delegue responsabilidades: Delegar é uma arte. Estimule gerentes, gestores e supervisores a delegar responsabilidades e compartilhar os resultados. O PLR e a meritocracia são bons estimulantes para a produtividade;
  • Combata a procrastinação: 80% dos disparos indevidos são recorrentes e geram mais de 60% das atividades dos Centros de Gerenciamento. Iniciar o processo de solução é essencial;
  • Treinamento para clientes: Clientes treinados diminuem significativamente as dificuldades geradas por uso indevido, erros e alterações que podem gerar disparos indevidos. Treinar clientes qualifica e fideliza a relação comercial;
  • Implante um Serviço de Manutenção Preventiva: A prevenção é a forma mais inteligente que uma empresa pode usar para ganhar mercado e aumentar seus lucros. O serviço de manutenção preventiva além de agregar valor à empresa pode ser altamente rentável;
  • Audite os setores envolvidos: Os departamentos comerciais, técnicos, de gerenciamento e operacionais devem ser auditados constantemente. Mais uma vez é importante saber que o que não pode ser mensurado, não pode ser corrigido;
  • Implante um programa interno de redução de disparos: Desenvolvemos uma série de programas em empresas que viraram o jogo, integrando todas as equipes numa “cruzada” contra os disparos indevidos, retendo talentos e melhorando a imagem da empresa perante o mercado, além de aumentar sua rentabilidade significativamente;
  • Separe a equipe de instalação da equipe de manutenção: não se trata de acirrar a discórdia, mas de criar autoridade para corrigir o que foi feito de forma inadequada. Dificilmente o profissional que executou um serviço de forma inadequada, vai conseguir corrigir seu erro facilmente, podendo incorrer nos mesmos enganos e torna-los repetitivos e recorrentes;
  • Aprendam e ensinem a dizer Não: Permitir que as equipes comerciais e técnicas aprendam a dizer “NÃO” é significativamente importante para que nossas empresas passem a rejeitar serviços e clientes que certamente causarão problemas. Lembre-se sempre de que as empresas de sucesso não atendem todas as demandas, mas apenas aquelas que lhes são rentáveis e que lhes interessam!

 

Com essas breves dicas, tenho absoluta certeza de que sua empresa já estará na “alça de mira” para atingir o sucesso com o aumento da eficácia e da eficiência, se tornando modelo e padrão para qualificar o mercado. E ganhar mais com isso!

Aproveito para parabenizar as empresas que tenham coragem para encarar os fatos, pois abordar assuntos importantes é essencial para que tenhamos sucesso em nossos empreendimentos.

Dessa forma disponibilizo nossas expertises à disposição dos profissionais e das empresas que desejam qualificar e profissionalizar seus Centros de Gerenciamento, suas Centrais de Monitoramento e de MultiMonitoramento. Teremos a maior satisfação em gerar e em ajudar a gerar resultados corrigindo e aprimorando os conceitos e as práticas de alta performance.

Estou sempre à disposição.

“Se a luta é boa, mão na espada!”

Emir Pinho - Gestor e Consultor de Segurança

Emir Pinho possui formação superior em Gestão de Segurança e atua como Consultor de Segurança Privada e Eletrônica, Palestrante, articulista e conferencista com ênfase na atualização de conceitos e métodos de marketing, de vendas, de segurança privada e de gestão de empresas.

É Diretor da EMP Consultoria e Treinamentos, criador do site www.consultordeseguranca.com.br e é o profissional mais citado nos principais sistemas de buscas e consultas por relevância da internet.

Fale com o Consultor de Segurança pelo fone e whatsapp: (51) 9967 3306 – (47) 3056 6568 ou envie um e-mail para [email protected]

Siga-o pelo twitter @emirpinho ou em www.facebook.com/consultordeseguranca


Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


Eu quero mais artigos como este!


9 respostas para “Segurança Eletrônica: 15 atitudes para diminuir disparos indevidos”

  1. marcelo disse:

    boa tarde, muito bom seu artigos.

  2. Boa tarde Emir. Excelente artigo, fazia tempos que não via algo tão completo, verdadeiro e infelizmente real. Estou a 10 anos na empresa, 4 anos de operacional e 6 de comercial e tudo que foi exposto é a pura realidade. Lutamos primeiramente aqui pela consciência empresarial, para que as outras coisas possam fluir. O desafio é grande, mas são profissionais iguais a você que nos ajudam a trazem maior clareza e profissionalizar este ramo que de fato deve ser levado a sério. Grande abraço e parabéns pela iniciativa.

  3. Mario Aparecido da Silva Cruz disse:

    Parabéns pelo artigo, seus comentários técnicos são muito pertinentes, percebe-se grande experiência.

  4. Mario Aparecido da Silva Cruz disse:

    O artigo trás uma grande reflexão e seus comentários técnicos são muito pertinentes, percebe-se grande experiência.

  5. Mario Aparecido da Silva Cruz disse:

    O artigo trás uma grande reflexão e seus comentários técnicos são muito pertinentes, percebe-se grande experiência.

    • Emir Pinho disse:

      Muito boa tarde Mario!
      Assim como eu, você é um profissional engajado e comprometido com a evolução de nosso segmento! Essa é a nossa batalha! Lutemos para crescer e conquistar nosso espaço à sombra!
      Um grande abraço, Campeão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *