Planos de segurança evitam roubos de carga


por Emir Pinho em Saiu na Imprensa / 24 de outubro de 2014

Planos de segurança evitam roubos

Empresas de logística precisam lidar com uma série de problemas e cuidados que estão diretamente ligados a vários riscos e vulnerabilidade. De acordo com o consultor de segurança, Emir Pinho, da EMP Consultoria e Treinamentos Empresariais, é fundamental desenvolver ações preventivas que levem em consideração o tipo de carga, o valor agregado e o roteiro que será seguido.

Planos de segurança, planos de contingência, políticas de segurança e prevenção são itens que deveriam ser obrigatórios para todas as empresas, levando em consideração questões abordadas nos levantamentos e análises de riscos desenvolvidas por profissionais de segurança. Pinho explica que estes dados são baseados em tudo o que poderia ou não acontecer com a empresa e que permitem um planejamento antecipado.

“Os planos de segurança podem representar um grande benefício para empresas de pequeno, de médio e de grande porte. Eu costumo exemplificar que para uma empresa que possui 100 caminhões e tem 1 roubado, ela teve 1% de sua frota atingida. Por outro lado, uma empresa que possua 10 caminhões e que sofre o roubo de 1, tem seu faturamento agredido em no mínimo 10%, sem levar em consideração o investimento necessário para a reposição do patrimônio subtraído”, comenta.

Pinho explica dentre os casos é possível destacar os roubos planejados, os golpes e furtos internos e os furtos por descuido humano (em casos de carona, embriaguez, tráfico, por exemplo). Além disso, eletrônicos, cigarros, medicamentos, eletrodomésticos e alimentos são os produtos mais visados no momento do furto de carga. Isso porque eles possuem um valor alto no mercado paralelo e que podem ser distribuídos com uma facilidade razoável.

“Hoje não podemos dizer que exista um padrão para furtos e roubos. A indústria do crime tem se aperfeiçoado dia após dia para obter sucesso em seus ataques, inclusive utilizando informações internas de empresas, para planejar seus ataques às cargas. Corrobora com isso a insegurança gerada pela insuficiente resposta da segurança pública, que muitas vezes está desaparelhada e em número insuficiente para prestar os serviços necessários”, explica. O consultor complementa explicando que este cenário faz com que as empresas tenham de recorrer às gerenciadoras de riscos, onde profissionais experientes estudam e tratam cada percurso com minúcia e perícia, estabelecendo procedimentos e roteiros que resguardem a segurança de cargas, de caminhões e de seus motoristas.

Além dos planos de segurança, Pinho comenta que existe uma série de cuidados básicos que devem ser levados em consideração e auxiliam na diminuição dos riscos.

– Sempre que possível, transitar em comboios;
– Realizar viagens longas durante o dia;
– Conforme o risco da carga, utilizar os serviços de escolta profissional executado por empresas legalizadas para este fim, conforme previsto na legislação;
– Proporcionar treinamentos de segurança para motoristas e ajudantes;
– Proibir a carona nos veículos da empresa;
– Não permitir o uso dos famosos “chapas”, pessoas que se oferecem à beira das estradas para “auxiliar” os caminhoneiros;
– Estabelecer pontos de parada pré-determinados, levando em consideração o risco das rotas a serem executadas;
– Instalar rastreadores nos veículos e contratar empresas legalizadas de monitoramento;
– Contratar seguros para o casco (caminhão) e para a carga;
– Evitar ao máximo a rotatividade de colaboradores;
– Manter atualizado o cadastro de motoristas e ajudantes;
– Manter sigilo sobre cargas, datas e roteiros;
– Rotas, roteiros, motoristas e cargas devem sofrer reciclagens permanentemente para evitar que a rotina acabe por facilitar a ação de bandidos;
– Proteger não apenas os veículos, mas investir na proteção de depósitos, armazéns e centros de distribuição para evitar que os sinistros ocorram dentro de seus pátios.

O consultor ainda finaliza dizendo que as ações preventivas são fundamentais para a redução dos riscos e das vulnerabilidades. No exterior, essas ações já integram os Planejamentos Estratégicos das empresas e são consideradas essenciais para o perfeito desenvolvimento dos serviços do setor. “Desta forma, podemos eliminar prejuízos financeiros causados às empresas e ao país, redução de custos de fiscalização, das apólices de seguro, médicos e processuais, além, é claro dos custos operacionais de segurança das pessoas. Prevenir é prova de inteligência empresarial”, finaliza.

 

Essa entrevista foi publicada originalmente no Portal Ticket e Gestão PME –
http://www.ticketegestao.com.br/portal/ticketgestao/gestao-e-carreira/gestao-de-despesas/planos-de-seguranca-evitam-roubos-de-carga.htm


Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *