Assaltantes roubam viatura de delegado


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 13 de maio de 2007

Para assaltar um comerciante de jóias ontem à tarde, em Porto Alegre, uma quadrilha provocou um acidente, roubou uma viatura de um delegado, tentou fugir em um táxi e acabou sem as jóias, avaliadas em R$ 20 mil.

Às 13h30min, quatro homens armados atacaram o comerciante Márcio Fortunato Webster, 37 anos. Ele chegava em um Voyage a um restaurante na Rua Jacinto Gomes, no bairro Santana, carregando uma pasta com jóias, oferecidas a clientes.

Ao abrir às pressas uma das portas do Ka, os bandidos trancaram a passagem de uma moto. O motoqueiro bateu de raspão na lateral do Ka e de um Santana. Apesar da queda, o motoqueiro se ergueu, pegou a moto e fugiu assustado.

– Estava guardando a pasta no porta-malas, quando aconteceu o acidente. Aí, um cara veio gritando “passa a pasta e a chave do carro” – contou Webster.

Como o Voyage da vítima tinha trava no volante, os ladrões decidiram roubar outro veículo. O que estava mais perto era um Corsa Sedan (viatura discreta da Polícia Civil), dirigido pelo delegado Herbert Ferreira, 53 anos. Ex-titular da 10ª DP, Herbert recém havia saído da repartição – na Jacinto Gomes, a 350 metros do local do crime. Ia para seu novo gabinete – ele assumiu o comando da Delegacia de Polícia Regional da Capital:

– A rua estava obstruída por causa do acidente e parei. Quatro homens vieram na minha direção. Dois deles abriram a porta do motorista e me puxaram para fora. Preferi não reagir. Tinha muita gente na rua, mulheres, crianças, e acho que tomei a decisão mais correta.

O bando entrou no Corsa e seguiu em marcha a ré e na contramão até a Avenida Jerônimo de Ornelas. O veículo rodou por seis quadras. No cruzamento da Avenida Venâncio Aires com a Rua Santana, no bairro Farroupilha, os bandidos abandonaram o Corsa com a chave na ignição junto à calçada do Colégio Militar. Dois deles pegaram um táxi, carregando a pasta com jóias e uma bolsa com documentos e cheques do delegado.

– Disseram para ir rápido até a rodoviária. Achei estranho, descerem de um carro e pegarem um táxi. Quando chegava perto do Centro, mandaram parar, deram R$ 10 e desceram – contou o taxista.

Uma hora depois, o soldado Clóvis Cardoso, do 9º BPM, avistou a dupla na Avenida Júlio de Castilhos. Os bandidos se assustaram ao perceber que o PM olhava para eles.

– Um virou o rosto ligeiro. Segui atrás, e eles jogaram a pasta fora e correram – lembrou o PM ao apresentar as jóias, para alegria da vítima.

O PM desconhecia o assalto. – A Brigada agiu com presteza – comemorou o comerciante.

Zero Hora – 09 de maio de 2007. Edição nº 15235

Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.