Curitiba tem 150 empresas de segurança clandestinas


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 4 de setembro de 2008

Curitiba tem 150 empresas de segurança clandestinas

Para quem está preocupado em deixar a casa ou a empresa vazias em época de férias e quer aumentar a segurança, o Sindicato das Empresas de Segurança Privada no Estado do Paraná alerta sobre o cuidado com as empresas clandestinas. É nessa época em que aumentam o número de contratos, em cerca de 10% a 15%, e é também quando os oportunistas garantem seu “extra” de fim de ano dando mais dor de cabeça para quem pensa estar seguro.

Segundo o presidente do Sindicato, Jeferson Nazário, “só pode oferecer serviços de segurança, empresas autorizadas pela Polícia Federal, como ordena a lei 7102 da Constituição sobre segurança”, lembra. Segundo ele, o número de irregulares no Paraná impressiona. “A cada três vigias irregulares, apenas um é autorizado pela PF. Sem contar que em todo Estado há 70 empresas autorizadas e só em Curitiba e região são cerca de 150 clandestinas”, afirma Nazário.

Para que o cliente não fique na mão de uma empresa clandestina, o presidente do sindicato lembra que é necessário ter cautela, visitar a empresa e, em primeiro lugar, verificar se existe a autorização da Polícia Federal para que a empresa possa prestar o serviço.

Mesmo aqueles que optam pela segurança eletrônica, Nazário lembra que é necessário ficar atento. Empresas de segurança eletrônica podem apenas comercializar equipamentos e sistemas de segurança eletrônico, mas não podem fazer monitoramento externo.

O monitoramento e a ronda em estabelecimentos e residências cabem às empresas de segurança privada, devidamente autorizadas, conforme a legislação vigente. O setor de segurança eletrônica estima um crescimento de até 20% neste período de fim de ano, em relação ao ano passado.

O ideal, segundo o Nazário, é que um proprietário de residência ou de empresa trabalhe com o “conjunto do aparato tecnológico e o profissional treinado”. Ou, caso opte pela segurança eletrônica, verificar se ela mantém convênio com empresas autorizadas para fazer o monitoramento externo.

Caso Centronic – De acordo com dados de 2005 da Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores (Fenavist), o setor é um dos que mais cresce no País – em três anos teve aumento de 68%. Segundo Jeferson Nazário, nem mesmo o caso de violência que envolveu a empresa Centronic no mês passado, que acabou na morte do estudante Bruno Strobel Coelho Santos, não afetou os contratos com empresas de segurança privada.

“Em um primeiro momento todo o segmento foi colocado em dúvida. Mas, ao mesmo tempo, a população passou a ser mais exigente e a procurar as empresas com mais cautela, o que favoreceu as que trabalham com autorização da PF e seriedade. Podemos até dizer que houve uma reação surpreendente nas vendas dos serviços”, conta.

Fonte / Bem Paraná


Tags:


Eu quero mais artigos como este!


2 respostas para “Curitiba tem 150 empresas de segurança clandestinas”

  1. TRINDADE disse:

    Boa tarde Emir seu blog é muito bom
    recebo em meu e-mail muitas coisas que voce me manda, queria lhe pedir um grande favor sera que eu posso postar algumas noticias do seu blog no meu, des de ja agradeço, abraços Trindade

  2. Boa tarde meu caro Trindade!

    Faço questão de ajudá-lo!

    A regra é bem simples, apenas realce o local, a fonte e o autor dos respectivos textos publicados.

    Não deixe de me enviar o endereço de seu blog, onde poderemos inclusive fazer uma roca de divulgações.

    Aguardo seu retorno!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.