Estradas têm 53 roubos de cargas


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 16 de setembro de 2009

Roubo de Cargas – Avançam os casos de roubo de cargas diz entidade

11/09/09

Estradas têm 53 roubos de cargas

SÃO PAULO (SP) – Apenas no primeiro semestre deste ano, foram registrados nas estradas que circundam o Alto Tietê 53 casos de roubos de cargas, sendo 43 deles ocorridos no trecho em que a Rodovia Presidente Dutra (BR-116) passa pela Região. As informações são da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo (Fetcesp). Apesar de não haver condições para comparações, já que a entidade armazena apenas as informações globais em um ano, a quantidade quase alcança o total de crimes cometidos em todo o ano de 2008, que ficou em 69 casos.

Os dados do primeiro semestre deste ano também preocupam quando o crime é cometido em territórios urbanos. Nas áreas municipais do Alto Tietê, entre janeiro e junho deste ano, houve 115 casos de roubos de cargas. Nos 12 meses do ano passado as ocorrências somaram 150. A preocupação do assessor de segurança do sindicato de empresas, coronel Paulo Roberto de Souza, é que os bandidos continuem agindo nesta proporção, o que fará com que o ano de 2009 atinja recordes. “Se os crimes continuarem acontecendo neste ritmo, vamos fechar o ano com o dobro de ocorrências em relação aos dados de 2008. Vale lembrar que este não é um problema regional. Os roubos de cargas estão avançando em todo o Estado”.

De acordo com informações divulgadas na semana passada pelo Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo (Sesvesp), houve ampliação de 19,4% nas ocorrências em território paulista no primeiro trimestre deste ano, na comparação com igual período do ano passado. Foram 1.849 ocorrências em janeiro, fevereiro e março deste ano, enquanto que, em 2008, foram registrados 1.490 crimes nos mesmos meses.

Souza explica que a entidade não faz um levantamento das causas dos crimes. No entanto, ele acredita que possa ter havido uma transferência de outras estradas para a Dutra, possivelmente motivada pelo reforço no policiamento em outras rodovias. “É que a Polícia atua com mais presença em estradas cujos índices de criminalidade são mais altos. A Mogi-Dutra, uma estrada desta Região, me chamou a atenção no ano passado. Cheguei, em outra entrevista, a comentar que até então eu nem sabia que ela existia. Mas, em 2008, houve 200% de aumento no número de casos, na comparação com 2007”.

O profissional comenta que, no ano passado, depois de matéria publicada por O Diário alertando sobre o aumento de casos na Mogi-Dutra (SP-88), ele recebeu telefonema da Polícia Rodoviária. “Então eu suponho que tenha existido uma ampliação do policiamento na Mogi-Dutra porque enquanto que no ano passado foram registrados 18 crimes, neste ano nós temos apenas dois”.

O coronel sustenta que os ladrões devem ter procurado outro destino para atuar. “Esses crimes, no geral, são cometidos por quadrilhas organizadas. Os bandidos não vão parar ou mudar de ramo. Eles mudam é de lugar”, diz.

O coronel chama a atenção para a estrada Mogi-Guararema (SP-66), considerada uma rodovia tranqüila, embora haja intensa circulação de caminhões passando por ela. Mesmo contando com uma base da Polícia Rodoviária, a estrada contabilizou três roubos de cargas neste primeiro semestre. No ano passado inteiro houve somente uma ocorrência e, a comparação entre 2008 e 2007, trouxe até uma redução de 50%. “Embora não sejam tão altos, preocupa a situação da Mogi-Guararema. Não há intimidação dos bandidos mesmo com a presença da base. Eles agem a 10, 15 quilômetros da sede da Polícia, sem muitos problemas. Neste ano, houve três ocorrências e, em 2007, no ano inteiro, o índice também foi baixo, de apenas dois casos”.

Souza faz outro alerta: obras favorecem a ação dos bandidos. Das oito principais rodovias que circundam a Região, quatro delas estão em obras (Mogi-Bertioga, Mogi-Salesópolis, Estrada das Varinhas e Índio-Tibiriçá), sendo que a Mogi-Dutra está em vias de receber intervenções de engenharia, uma vez que será construído um acesso subterrâneo na altura do bairro Jardim Aracy. “Durante o dia, por causa da presença dos trabalhadores e das máquinas, as obras atrapalham os bandidos. Mas, à noite, elas favorecem a ação dos criminosos por um motivo muito simples: a necessidade de redução de velocidade em alguns trechos. São nestes momentos, principalmente nas subidas, que os ladrões abordam o caminhoneiro. O ladrão, mesmo sem carro, corre, alcança o estribo e, com uma arma, rende qualquer motorista”.

A Polícia Rodoviária do Estado de São Paulo, por meio do tenente Hugo de Oliveira e Silva Neto, na noite da última sexta-feira, informou que só comentaria dados oficiais de roubos de cargas, no caso os tabulados pela Secretaria de Estado da Segurança Pública. No entanto, segundo ele, não há índices preocupantes no Alto Tietê. Já a Polícia Rodoviária Federal, responsável pela segurança na Rodovia Presidente Dutra, por meio da Assessoria de Imprensa, disse que abordaria o assunto nesta semana.

Fonte: Diário de Mogi


Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.