Fique esperto: furtos em residência aumentam 30% durante as férias


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 14 de janeiro de 2007

Está aberta a temporada de furtos a residências. As estatísticas da Polícia Militar apontam que nesta época do ano, em que moradores deixam as casas para viajar, os crimes aumentam até 30%, de acordo com estimativas.
Em Mogi das Cruzes, somente na virada do ano cerca de seis a oito residências e empresas, em diversos bairros, foram alvos dos ladrões. A corporação e a Polícia Civil afirmam que fazem patrulhamento específico para evitar esse tipo de crime e mantêm atenção redobrada.
Mas para que esse período de férias não acabe em dor de cabeça e prejuízos, alguns cuidados por parte dos proprietários são necessários. De acordo com a PM, são coisas básicas, mas que de tão simples muita gente esquece, como colocar grade ou barras de ferro nas janelas ou até em portas para evitar a entrada dos assaltantes, por exemplo. Outra sugestão é não deixar acumular correspondência na porta de casa.
O morador precisa mudar o endereço de entrega ou pedir para algum vizinho ou parente retirar jornais, revistas ou correspondências, sem falta. Outra dica da PM é não deixar a luz acesa. Se durante a noite esse ato pode até inibir o ladrão, durante o dia, no entanto, isso denuncia que não há moradores no local. Nesse caso, o ideal é a instalação de timers ou fotocélulas que acendem as lâmpadas somente durante a noite. Alguns timers disponíveis no mercado podem ser programados para acender as luzes em diferentes horários. O custo mínimo desse aparelho é de R$ 30,00, mas o valor chega a R$ 150,00 para produtos mais sofisticados. Todos são encontrados nas lojas especializadas em Mogi e região.
Outras dicas da PM é que é sempre bom o morador contar com algum parente ou vizinho de confiança para dar uma olhada na residência e informar se está tudo bem.Não se deve, também, ficar alardeando sobre a viagem e o período em que a família vai permanecer fora da casa. Isso pode despertar a atenção de informantes de criminosos, que terão, então, as dicas de quando praticar o furto.
Em condomínios fechados ou edifícios, é aconselhável não deixar a chave da residência na portaria. No Condomínio Flora II, no Mogilar, o síndico emitiu ordens expressas proibindo esse tipo de comportamento. Tudo para evitar problemas futuros e confusões. Outra sugestão é pedir para alguém de confiança esvaziar os recados da secretária eletrônica. Se isso não for possível, é melhor transferir as ligações para um número que o morador tenha acesso – sistema oferecido pela Telefônica, conhecido como “Siga-me”.
É que a secretária-eletrônica cheia também pode denunciar que o morador e sua família estão longe de casa. A PM alerta ainda que os vizinhos devem denunciar ao 190 qualquer atitude anormal nas residências próximas. E é preciso também tomar cuidado com “falsos vigias noturnos”, que em vez de oferecer segurança aos moradores, agem como olheiros dos bandidos.
Para evitar isso, o morador deve conhecer o vigia noturno, saber seu endereço, seus antecedentes e verificar se ele é autorizado pela Polícia Civil da sua cidade para operar.
O calendário da criminalidadeA criminalidade tem uma espécie de calendário. É o que a firma estudo realizado pela CAP – Coordenadoria de Análise e Planejamento, da Secretaria Estadual de Segurança Pública. De acordo com o resultado, além dos furtos a residências, outros crimes costumam ocorrer com maior incidência nas férias e durante o verão. Desde 1999, a marginalidade segue padrões com poucas variáveis, aponta o estudo. Como exemplo, outros crimes típicos de Verão são as diferentes modalidades de furtos (sem a presença da vítima) e roubos ou assaltos (quando há ameaça contra a vítima), pois os dias são mais longos e há mais gente nas ruas. Com isso, a possibilidade das pessoas se descuidarem de seus objetos é maior.
No Verão, há mais homicídios praticados nas ruas e bares, pois existe maior interação social e mais desentendimentos. O consumo de bebidas alcoólicas também aumenta consideravelmente nesse período do ano. “As estatísticas criminais refletem as circunstâncias de convívio social da população e datas festivas”, afirmou o sociólogo Túlio Kahn, coordenador da CAP. Já no Outono, entre os meses de março e junho, aumentam os furtos e roubos de veículos, pois há mais carros em circulação por causa da volta às aulas.
Os crimes praticados por menores de idade, denominados atos infracionais, são mais freqüentes, pois os adolescentes voltam a ter contato com colegas de aula após as férias. “Eles ficam mais em grupos e são estimulados a praticar os delitos”, avalia Kahn. Segundo o estudo, no Inverno aumentam os casos de violência doméstica contra mulheres, pois as pessoas ficam mais dentro de casa.
Na Primavera, as estatísticas apontam queda no número de casos de roubo.
As causas dessas oscilações ainda não foram detectadas pela CAP.

Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.