Porto Alegre tem o maior crescimento em homicídios


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 19 de fevereiro de 2008

Porto Alegre tem o maior crescimento em homicídios
Em 2007, Capital teve aumento de 57,5% nos assassinatos
Além de bater o recorde da década, registrando o maior número de assassinatos desde 2000, Porto Alegre teve, no ano passado, um crescimento maior nesse tipo de crime do que 13 das principais capitais do país.
O levantamento foi feito pela Folha de S.Paulo, com base em dados das secretarias estaduais.
Em 2007, houve 430 homicídios na Capital, segundo a Secretaria da Segurança Pública, contra 273 em 2006 – aumento de 57,5%. A Delegacia de Homicídios, no entanto, contabilizou 515 homicídios contra 337 em 2006. Salvador ocupa o segundo lugar.
Proporcionalmente aos habitantes, matou-se mais em Porto Alegre em 2007 do que em Nova York ou em São Paulo, como revelou ZH em reportagem publicada em 6 de janeiro. No Rio Grande do Sul, os índices também são preocupantes. Em janeiro deste ano, os homicídios seguiram em alta, com um crescimento de 9,84% em relação a janeiro de 2007.
As disputas que envolvem o comércio de drogas estão por trás da maior parte dos crimes de sangue, segundo autoridades que investigam os assassinatos. Conforme estudo da Secretaria da Segurança Pública sobre os crimes registrados em janeiro, no Estado, a maioria das vítimas tinha antecedentes, assim como os autores.
Delegacia tem poucos agentes
Sobram assassinatos, faltam policiais na capital gaúcha. Para conter índices históricos de violência, a Delegacia de Homicídios conta com apenas dois delegados, 16 agentes e três estagiários. O número representa 30% do efetivo necessário, segundo o delegado Juliano Ferreira. Ele afirma que seriam necessárias duas Delegacias de Homicídios, com pelo menos 30 agentes e dois delegados em cada uma.
Conforme Juliano, a estrutura enxuta obriga os agentes a correrem risco:
– Muitas vezes entramos em vilas e locais de crime sem parceria. Temos de dirigir a viatura, nos proteger e ainda tirotear com criminosos. Outro problema é ter de fazer intimações sozinho. É muito perigoso.
Apesar do reduzido número de agentes, o resultado do trabalho é elogiado pelo promotor Luís Antônio Portela, que atua no Tribunal do Júri da Capital, para onde vão os inquéritos da delegacia. Segundo Portela, por conta de inquéritos bem construídos, o índice de condenações em crimes de homicídio atingiu 90% em 2007.
– É um trabalho feito de forma muito complexa, que é fundamental para que haja uma acusação embasada – sustenta o promotor.
O chefe de Polícia, Pedro Rodrigues, diz que a Homicídios deve receber reforços com a nomeação de 243 escrivães, prevista para os próximos dias, mas o número de agentes que serão deslocados ainda não está definido.
A criação de uma segunda Delegacia de Homicídios está prevista desde 2005, mas nunca saiu do papel.

Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.