Seg. & Vigilância – Empresas clandestinas localizadas em SC


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 1 de outubro de 2008

Seg. & Vigilância – Empresas clandestinas localizadas em SC


27/09/08

Operação  combate  empresas de segurança privada clandestinas.

A Polícia Federal (PF) de Santa Catarina deflagrou a Operação Varredura para reprimir a prática de segurança privada clandestina nas cidades de Criciúma, Joinville, Itajaí, Lages, Chapecó e Dionísio Cerqueira. A Operação teve início na última segunda-feira, e conta com um efetivo de aproximadamente 50 policiais.

O objetivo da operação é notificar e autuar empresas de segurança privada não autorizadas, a fim de que se regularizem perante a Polícia Federal ou encerrem as suas atividades irregulares. De acordo com a delegada responsável pela operação, Ana Carolina, ainda não houve registro de prisões em Criciúma.

Segundo a PF, estão sendo lavrados “Autos de Encerramento de Atividade de Segurança Não Autorizada” contra as empresas de segurança privada clandestinas ou contra os estabelecimentos que possuam seguranças em seu quadro de funcionários, sem autorização da PF.

Os estabelecimentos fiscalizados que possuem contrato de segurança privada com empresa clandestina estão sendo notificados a se regularizar, sob pena de responsabilização criminal caso concorram com a prática de infração criminal porventura cometida pela empresa clandestina.

De acordo com a legislação atual, são consideradas empresas de segurança privada aquelas que exercem atividades de vigilância patrimonial, transporte de valores, escolta armada e segurança pessoal, bem como os cursos de formação de vigilantes.

As fiscalizações ocorrem em supermercados, restaurantes, hotéis e boates que possuam segurança privada. Caso o estabelecimento não possua segurança, ou possua segurança de uma empresa clandestina, ou, ainda, possua segurança em seu quadro próprio de funcionários sem autorização da PF, poderá ser interditado.


Fonte: A Tribuna (SC)


Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.