Sequestradores fazem menina refém por 24 horas


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 2 de junho de 2009

Polícia | 02/06/2009 | 01h10min

Sequestradores fazem menina refém por 24 horas

Criança de oito anos havia sido capturada em Cerro Grande do Sul

José Luís Costa*, Cerro Grande do Sul | joseluis.costa@zerohora.com.br

Terminou no fim da noite desta segunda-feira, na Avenida Edvaldo Pereira Paiva, na Capital, um sequestro de 24 horas de uma criança de Cerro Grande do Sul.

Pelo menos quatro pessoas foram presas e um quinto sequestrador fugiu após acidente provocado por uma perseguição policial. A menina havia sido solta na Avenida Ipiranga, ilesa, minutos depois de o resgate ser pago na Usina do Gasômetro.

O drama da família começou na noite de domingo, quando dois homens armados invadiram a casa de um comerciante e capturaram a filha dele, de oito anos, em Cerro Grande do Sul, a 116 quilômetros de Porto Alegre. Até as 18h de ontem, os sequestradores fizeram oito contatos com a família, exigindo R$ 150 mil para devolver a garota.

Filho de agricultores com prestígio na cidade, o comerciante e seu irmão intermedeiam cargas de fumo entre produtores locais e companhias de cigarro da Região de Santa Cruz do Sul. Desde 2006, os dois irmãos já sofreram pelo menos quatro assaltos, sempre nessa época do ano, período de venda da safra de fumo, com maior movimentação de dinheiro.

O sequestro começou à 23h30min de domingo, quando a dupla bateu à porta da casa do comerciante, construída na zona rural de Cerro Grande do Sul, desprotegida de cercas, grades ou muros. Além do pai, estavam na moradia a mulher dele e os três filhos pequenos. Os bandidos pegaram a menina, filha mais velha do casal, e o Escort da família. Um comparsa estaria em outro carro.

Alertado por policiais locais, o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) passou a acompanhar as negociações, sem conhecimento da família. Na manhã de ontem, o delegado Marcínio Tavares Neto, especializado na orientação à familiares de vítimas de sequestro e uma equipe da Delegacia de Roubos viajaram para Cerro Grande do Sul.

Levado para uma área afastada da cidade, o casal passou a negociar com os sequestradores de celular para celular. À noite, os familiares combinaram de entregar o resgate para os bandidos. O valor não havia sido divulgado até a 1h de hoje.

Após a menina ser solta na Ipiranga, os policiais que monitoravam o veículo partiram para a perseguição, causando a colisão do Escort — que pertencia à família da vítima — em um poste a menos de um quilômetro. Uma mulher acabou presa. Outro bandido, que havia ficado sob as ferragens, foi levado para o Hospital de Pronto Socorro. Mais duas mulheres foram flagradas no cativeiro, na Vila Cruzeiro.

O quinto sequestrador conseguiu fugir para um matagal próximo ao Guaíba. Ele deixou no caminho um revólver calibre 38. Até a 1h de hoje, a Polícia Civil não havia divulgado os nomes dos sequestradores.

*COLABOROU GUSTAVO AZEVEDO

Nota do Emir: Num caso como esse, conseguimos ver como as vulnerabilidades de nossos clientes e prospects são gritantes. Afinal não se tratou de um seqüestro em “área de notável risco” e nem mesmo na região metropolitana, onde casos como esses proliferam somados aos casos de furtos e roubos.

As vulnerabilidades existem em todos os lugares e cabe ao consultor de segurança identificar os riscos e recomendar os procedimentos que os contornarão.

Não podemos esquecer que nossos prospects e também nossos parceiros-pagantes (clientes) sempre alegarão que “… com eles isso nunca acontecerá!”.


Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.