SEQÜESTRO RELÂMPAGO


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 23 de outubro de 2008

23 de outubro de 2008 N° 15767 – Jornal Zero Hora

SEQÜESTRO RELÂMPAGO
Projeto prevê pena de seis a 12 anos


A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado (CCJ) aprovou ontem o projeto que tipifica o crime de seqüestro relâmpago.

O projeto de lei prevê prisão de seis a 12 anos, além do pagamento de multa, para quem cometer esse tipo de crime. A pena será agravada se houver lesão corporal grave ou morte.

A proposta segue agora para a aprovação do plenário de senadores.

Os deputados chegaram a apresentar uma emenda, rejeitada pela comissão. A proposta altera o artigo 158 do Código Penal para definir de forma mais clara o seqüestro relâmpago, especificado como “crime cometido mediante restrição da liberdade da vítima, sendo essa condição necessária para obtenção de vantagem econômica’’.

Nota do Emir: Cada vez mais se justifica a necessidade do desenvolvimento de projetos de segurança privada adequados, integrando sistemas e ferramentas de segurança, procurando diminuir as vulnerabilidades de nossos clientes, pois fica evidenciado o descaso dos poderes públicos com os crescentes índices de criminalidade.
Tenho certeza e convicção em afirmar que não será com multas que iremos diminuir os crimes de seqüestro!! Somente com o fim da clandestinidade e da falta de profissionalismo é que poderemos oferecer soluções acertadas.
E essas diminuições das vulnerabilidades se darão quando integrarmos eficazes sistemas de proteção ( alarmes, sistemas de detecção externa, controles de acesso, CFTV’s, rastreadores, vigilância, etc…) com respostas humanas sérias, personalizadas e à altura das necessidades identificadas em projetos de segurança desenvolvidos por profissionais de nossa área.

Nunca é demais lembrar que o uso de um ou de outro produto de segurança irá resolver os problemas, mas sim a integração de todos eles no cotidiano de nossos clientes.

Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.