Sistema de Segurança Eletrônica desativado em Natal/RN traz riscos à população


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 28 de outubro de 2008

Sistema desativado em Natal traz riscos à população


22/10/08

Câmeras são desativadas em Ponta Negra e na Zona Norte.

NATAL(RN) – Aclamada em 2006 como uma medida importante para melhorar a segurança na Avenida Erivan França – orla da praia de Ponta Negra – as oito câmeras de vigilância com monitoramento em tempo real foram retiradas dos postes há cerca de 15 dias. A “blitz eletrônica” – na qual as placas de veículos são checadas em tempo real na sede da PM – também foram extintas dos postes da Zona Norte. A retirada do sistema, que completaria dois anos, foi feita sem o alarde da inauguração.

Ontem, as autoridades da segurança pública (PM e Secretaria de Defesa Social) não falaram sobre o caso, repassando a responsabilidade das explicações para o Detran. O órgão, através da coordenadoria de operações, também não deu explicações. Nem os oficiais da PM que defendiam o programa na época da inauguração quiseram falar sobre o assunto, sugerindo que a Secretaria desse uma resposta, num verdadeiro jogo de empurra.

O Detran, segundo apurou a TN, foi o responsável pelo pagamento do convênio que deu início à instalação dos equipamentos, enquanto a polícia ficou responsável pelo monitoramento em si.

A TN confirmou nos bastidores da PM que o problema para a retirada dos equipamentos foi a não renovação do contrato com a empresa dona dos equipamentos. O valor do contrato e o motivo da não renovação não foram divulgados pela fonte.

Em Ponta Negra, as câmeras ajudavam a combater os casos de assaltos, uso e venda de drogas, prostituição e exploração infanto-juvenil. Segundo a própria PM anunciou em meados deste ano,  após a instalação dos equipamentos na Avenida Erivan França os índices de criminalidade caíram. O monitoramento se mostrou  eficiente segundo entrevistas com oficiais da polícia. Por várias oportunidades a polícia prendeu pessoas traficando drogas ou aliciando  menores.

Além das câmeras dos postes da Avenida Erivan França, os computadores, telões e equipamentos instalados no Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp) também foram removidos. As salas antes ocupadas por vários policiais e equipamentos agora estão vazias. Os policiais (civis e militares) que utilizavam o equipamento fazendo a vigilância em tempo real foram remanejados para o tele-atendimento.

Na Zona Norte, os “pardais”  usados no que a polícia chama de “blitz eletrônica” foram removidos. Quando o sistema detecta uma placa de veículo roubado, uma equipe da PM era deslocada para fazer a abordagem. Mas agora esse  sistema também deixou de existir.

Os dois equipamentos deixavam a polícia do RN no mesmo rumo adotado pelas secretarias de segurança de grandes centros urbanos. “Sem tecnologia, é como se voltássemos à idade média. A polícia sempre agindo depois que o delito acontece”, disse uma alta fonte da PM.

Fonte: Tribuna do Norte


Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.