Uma operação contra a clonagem


por Emir Pinho - Consultor de Seguranca - 51 9967 3306 - ID 9214136 em old / 3 de setembro de 2008

03 de setembro de 2008 | N° 15715 Jornal Zero Hora
VEÍCULOS

Uma operação contra a clonagem

Polícia Civil deteve suspeitos de integrar quadrilha que roubava e adulterava carros seminovos e os revendia a preços abaixo dos de mercado fazendo-se passar por funcionários de fórum e da Receita

Como se fosse uma indústria com produção em série, uma quadrilha é suspeita de roubar, adulterar, anunciar, vender e entregar carros clonados na Região Metropolitana. A estratégia dos bandidos era oferecer veículos seminovos a preço camarada e se apresentar como funcionários do Fórum Central de Porto Alegre e da Receita Federal para dar mais credibilidade ao negócio. Em média, o bando revendia um automóvel clonado por semana, segundo estimativa da Polícia Civil, que ontem prendeu em Esteio sete suspeitos de integrar o grupo.

– O líderes gastavam R$ 2 mil, pagando o ladrão, a falsificação de documentos e a clonagem, e faturavam até R$ 40 mil com a venda de um carro – afirmou o delegado Heliomar Franco, da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos, que comandou a Operação Anúncio (em alusão à venda dos automóveis por classificados de jornal).

Foram localizados pelo menos seis compradores lesados. Um deles, morador do bairro Santana, na Capital, pagou na sexta-feira R$ 35 mil por uma EcoSport, ano 2006, cerca de R$ 8 mil a menos do que o valor de mercado. O veículo era do modelo preferido da quadrilha para “revenda”, segundo o delegado Heliomar.

A cadeia produtiva da quadrilha tinha funcionários em todos os “postos de trabalho”, de acordo com a polícia: o assaltante, o receptador, o falsificador de documentos, o fornecedor de placas, o adulterador de chassi e o vendedor do carro. Os roubos ocorriam na Grande Porto Alegre, e os veículos ficavam escondidos em garagens. Depois de concluída a clonagem e com a documentação falsa, os automóveis eram levados para um estacionamento no aeroporto Salgado Filho à espera de compradores.

A fraude nos documentos seria feita por Carlos Leandro da Silva, o Mendigo, 42 anos, preso pela DFRV na Operação Autotráfico, que resultou no final de agosto em 25 prisões na Região Metropolitana, por envolvimento em remessa de carros e caminhões clonados para o Paraguai.

– O Mendigo fornecia a papelada para três quadrilhas. A falsificação era bem-feita, com documentos quase perfeitos. A vítima só se dava conta de que o carro era roubado quando fazia a vistoria – afirmou o delegado.

Durante as investigações, a polícia alertou para a fraude os responsáveis por um cartório da Capital, onde os bandidos autenticavam os documentos falsos.

De posse de imagens de integrantes do bando e monitorando conversas por telefone, os policiais localizaram endereços dos envolvidos na quadrilha. No amanhecer de ontem, 30 agentes se dividiram em 10 viaturas que saíram da Capital em comboios para cumprir mandados de prisão em Alvorada e Esteio, onde foram presas temporariamente sete pessoas – quatro homens e três mulheres.

Mulheres emprestavam contas bancárias

Entre os detidos, estão os ex-detentos Rossinei da Silva Correia, o Nei, 32 anos, e Juliano Zanatta de Oliveira, 26 anos. Ambos prestarão depoimento amanhã. Conforme o delegado Heliomar, Oliveira é suspeito de roubar carros, e Nei seria um dos homens que revenderiam os veículos.

Nei e Oliveira responderão a inquérito por roubo, receptação, estelionato, adulteração de sinal identificador de veículo e formação de quadrilha. Conforme Heliomar, as mulheres serão indiciadas por formação de quadrilha por emprestar contas bancárias para a movimentação do dinheiro. Outros dois homens foram presos por porte ilegal de armas.

Além da EcoSport recolhida com uma vítima, foram apreendidos cinco veículos em posse do grupo, entre eles um Peugeot 206, ano 2008, já clonado e pronto para ser revendido no estacionamento do Salgado Filho.

> Não pague o veículo antes de efetuar a transferência no Detran

> Se o vendedor alegar algum impedimento, como alienação do veículo, contate o proprietário, certificando-se que o veículo não é clonado

joseluis.costa@zerohora.com.br

JOSÉ LUÍS COSTA


Tags:


Eu quero mais artigos como este!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.